Beyoncé

NAACP Awards: Beyoncé leva a melhor e quebra recorde

A última edição da gala que premeia os cidadãos afro-americanos mais influentes do cinema, música e televisão do ano, o NAACP, teve Beyoncé como a grande vencedora, com quatro prémios.

Beyoncé Knowels estava nomeada em sete categorias, das quais venceu quatro, tornando-se então na grande vencedora da 52ª edição e na cantora com maior número de troféus NAACP, superando Whitney Houston que tinha 18 estatuetas.

Queen Bee venceu nas categorias de “Melhor Artista Feminina”, “Melhor Vídeo/Álbum Visual” com a música “Brown Skin Girl”, “Melhor Música Hip-Hop/Rap” e “Melhor Colaboração, Dupla ou Grupo” com o remix da música “Savage” de Megan Thee Stallion.

Além de Beyoncé, também venceu Drake na categoria de “Melhor Artista Masculino” com a música “Laugh Now, Cry Later”, Doja Cat na categoria de “Melhor Artista Revelação” e o filme Soul como “Melhor Trilha Sonora/Álbum de Compilados”.

No mundo da sétima arte, o falecido ator Chadwick Boseman voltou a receber mais um prémio póstumo, como “Melhor Ator Secundário de Longa Metragem”, com o filme Da 5 Blood, e Tha Banker levou a melhor como o “Melhor Filme Independente”.

A gala teve transmissão online e as categorias não televisionadas foram apresentadas a partir do site oficial do prémio ao longo da semana, com apresentação das atrizes já indicadas aos prémios Susan Kelechi Watson, Nicole Beharie e Leslie Jones.

NAACP Images Awards é uma projeto que premeia afro-americanos influentes no mundo das artes e televisão desde 1970. Realizado anualmente, os prémios reúnem talentos notáveis de cada ano em 35 categorias.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.