Foto: UEAJJF
Campeonato Mundial de Jiu Jitsu Profissional | Foto: UEAJJF Campeonato Mundial de Jiu Jitsu Profissional | Foto: UEAJJF

Lutadores PALOP brilham no campeonato internacional de Jiu Jitsu

A guineense Yasmira Pires Dias e os angolanos Hélio Serodio e Elizandra Gourgel levaram a melhor dentro das suas categorias na 12ª edição do Campeonato Mundial de Jiu Jitsu Profissional. O evento está a acontecer desde o dia 6 de abril e termina já nesta sexta-feira, em Abu Dhabi nos Emirados Árabes Unidos.

Após vencer Marcelle Cantanhe por 9 a 6, Yasmira Dias, atleta da academia Brazilian Power Team International, torna-se na atual campeã mundial da categoria Master 1, faixa castanha/preta de 95 quilos.

Yasmira leva mais uma medalha para coleção, sendo que já foi três vezes campeã da Europa, 36 vezes campeã de Portugal e também já foi campeã mundial duas vezes, nos 90 quilos, em 2019.

Hélio Serodio de 15 anos, atleta angolano da Team Renzo Gracie Angola, venceu Mohammed Alketbi dos Emirados Árabes por 7 a 6, na categoria de juvenis, faixa azul dos 50 quilos, tendo vencido anteriormente o russo Isakay Abdurashidov e o árabe Suhail Torkman.

Elizandra Gourgel Wassuca de 30 anos, atleta da Gracie Barra Angola, torna-se campeã mundial na categoria de Master 1, faixa azul dos 70 quilos após vencer na final a inglesa, Mevan Shaw de 36 anos por 3 a 0.

O Campeonato Mundial de Jiu Jitsu Profissional de Abu Dhabi é um evento anual que junta profissionais da arte marcial do mundo inteiro. Atualmente, na sua 12ª edição, o evento está a decorrer, embora com algumas restrições devido ao coronavirus.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.