Guiné Equatorial acolhe cimeira de negócios da CPLP

Teodoro Obiang, Presidente da Guiné Equatorial, abriu nesta quarta-feira, 5, a cimeira de negócios da CPLP. O encontro acontece no Centro Internacional de Conferências do Simpopo, em Malabo.

A iniciativa é promovida pela Confederação Empresarial da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, e reúne naquele país 250 empresários de Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal.

Com esta cimeira, a organização disse que pretende consolidar a integração da Guiné Equatórial na CPLP, mostrar o seu “potencial, enquanto país de recursos e oportunidades, colocando-o na rota do investimento estrangeiro”.

A empresas dos sectores de turismo, agricultura, gás, pescas, banca e outros são as principais participantes do encontro, que deslocaram-se para Malabo para procurar oportunidades de investimentos.

A cimeira une comitivas oficiais, missões empresariais de vários países lusófonos, onde São Tomé e Príncipe está ser representado pelo próprio presidente da república, Evaristo Carvalho.

A missão de Angola é liderada por Domingos Lopes, o atual secretário de Estado da Cooperação de Angola. Quantos aos outros países, o presidente de Cabo Verde e presidente em exercício da CPLP, Jorge Carlos Fonseca fará parte do encontro de forma virtual, enquanto Alexandre Monteiro, ministro da Indústria, Comércio e Energia lidera a comitiva cabo-verdiana em Malabo.

Portugal é o único estado membro cujo governo não se faz representar oficialmente nesta primeira cimeira.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

BANTULOJA
nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.