“Bangaologia” de Coréon Du volta a ser exibido em Nova Iorque

Bangaologia: A Ciência do Estilo, de Coreón Du, faz parte da lista de filmes a serem exibidos numa programação especial do Festival de Cinema Africano de Nova Iorque. A película será exibida na sexta-feira, 14, no Maysles Cinema, como parte do Sidewalk Cinema, um evento gratuito de exibição de filmes ao ar livre.

Estreado em 2016 no Warsaw Film Festival, na Polónia, Bangaologia é um registo onde Coréon Du quebra conceitos pré-estabelecidos e explica a ciência da arte africana de bem vestir, numa viagem que começa em Angola e passa pelos Estados Unidos, para explorar essa “banga” que inspira a nível mundial.

Bangaologia: A Ciência do Estilo já passou por várias telas internacionais, como o Afropolitan Festival da Bozar, e o Festival de Documentários de Moda, Feed Dog Brasil.

O Festival de Cinema Africano existe desde 1993 e acontece anualmente durante três semanas, com a exibição de 40 a 50 filmes clássicos ou contemporâneos, bem como arquivos raros.

Um dos grandes objetivos do certamente é levar a experiência cinematográfica africana às comunidades, sem restrições de classes, por forma a que todos possam ter acesso à mostra.

Este ano, considerando que as salas de cinema estão há praticamente um ano fechadas devido à pandemia, como forma de escape, a organização decidiu organizar as sessões ao ar livre. Quem passar pelo Maysles Cinema vai poder assistir aos filmes, de pé ou sentados nos poucos lugares disponibilizados.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

BANTULOJA
nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.