4 oportunidades de negócios que a pandemia trouxe

2020 foi inusitado em mais do que uma maneira e tal vicissitude repercutirá por décadas.
As ondas repetidas de confinamento tiveram um efeito devastador na economia mundial, com a paralisia de indústrias inteiras, disrupção em cadeias de aprovisionamento e uma diminuição brusca na procura de comodidades que suportam economias nacionais.

No meio deste caos destrutivo, campos económicos tiveram performances admiráveis, com algumas multinacionais a atingirem taxas de crescimento recorde (como a Netflix, que adicionou 26 milhões de subscritores nos primeiros seis meses de 2020) e outras passando de cotações nos milhares de dólares a cotações bilionárias em meses (Zoom foi uma dessas histórias de sucesso de 2020).

As particularidades da pandemia criaram situações e necessidades económicas que oferecem oportunidades de negócio quer para empresas já existentes quer para novos negócios à procura de nichos para explorar ou de se integrarem em indústrias do futuro.

  1. Digital é essencial: no momento de restrição de movimento, o mundo digital teve um momento transformativo, passando de opcional para obrigatório em quase todos os aspectos da sociedade. A presença online dos negócios é hoje necessária, seja para brand awareness, serviços complementares ou mesmo uma expansão da atividade, como vendas a domicilio. Há oportunidade para consultores no campo de gestão da presença online, serviços acessórios a vendas online e infraestrutura para entregas.
  2. Do global ao local: quando as viagens internacionais tiveram de ser forçosamente paralisadas para evitar a propagação do vírus, cadeias de produção e/ou comerciantes que dependiam de materiais ou produtos importados viram-se confrontados com a dificuldade que a dependência em produção internacional cria. O movimento pós pandemia está definitivamente voltado para uma cadeia de aprovisionamento mais local, criando uma oportunidade para empresários locais que queiram servir outras empresas com produtos geralmente importados.
  3. Crédito: a resposta de muitos governos perante as quedas na procura e consumo na economia, em geral, tem sido apoios em forma de créditos para socorrer negócios em queda e garantir a sobrevivência de indústrias bem como (em linha com o ponto anterior) dar um impulso a segmentos que são aprovisionados por meio de importação no sentido de os substituir. Há oportunidades para empresas que queiram expandir ou iniciar a sua atividade para um ramo que esteja a receber particular atenção e apoio monetário.
  4. Responsabilidade social: paralelo à pandemia em 2020, aconteceram movimentos sociais que representaram outro momento transformativo no paradigma mundial. As corporações passaram a ter a necessidade de se posicionar no que diz respeito a movimentos sociais que estão intrinsecamente ligados com a identidade pessoal dos indivíduos. Sejam questões ambientais, equidade racial e/ou dos géneros, apoio às comunidades locais, empresas devem procurar conectar-se a causas importantes ou arriscar cair no esquecimento. Estes posicionamentos criam oportunidades para consultoria pois exigem equipas dedicadas ao assunto, para garantir a autenticidade do posicionamento de uma maneira que alinhe os valores da empresa a movimentos de maneira natural e credível.

Fontes:

1. How Covid-19 triggered the digital and e-commerce turning point

2. Review of 2020: Boom time for digital consumption

3. Supply chains to shift from global to local

4. Why corporate social responsability is essential in 2021

5. How countries are heling small businesses survive Covid-19

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

BANTULOJA
nv-author-image

Joyce Pinto

Graduada em Administração, mestranda em Gestão. Analista de mercados, empreendedora e escritora. Amante de livros, internet culture e política.