back2back

Depois de “The Blacker The Berry”, Jesualdo traz-nos “back2black”

Depois do sucesso da zine [magazine] The Blacker The Berry, criado por Jesualdo Lopes com o objetivo de enaltecer a voz de artistas negros queer, não-binários e/ou transexuais, em que foram organizadas exibições, palestras, workshops e festas, o artista traz-nos agora um novo projeto. Eis que nasce agora a segunda edição, intitulada back2black.

“É orgulhosamente a nossa maior colaboração, apresentando 22 artistas incríveis da Nigéria, Barbados, Trinidad e Tobago, Brasil, África do Sul, Holanda, Portugal e Estados Unidos, respetivamente”, explicou-nos Jesualdo.

Desta edição as pessoas podem esperar trabalhos de fotógrafos, cineastas, poetas e designers gráficos, flip cards contendo as suas biografias e uma visão sobre a sua prática criativa, mais dois posters gratuitos – incluindo o cartaz musical do evento back2black e ainda um poster inédito.

“Como parte da nossa missão e depois de sermos financiados por um bar queer-friendly em Leeds, Reino Unido, com o nome Wharf Chambers, estamos a organizar o nosso primeiro evento físico. No dia 2 de julho, realizaremos uma exposição / instalação gratuita no mesmo local, com novos talentos negros surgindo no norte do país”, explicou-nos.

Para além da exposição, Jesualdo está a preparar também uma nova club night inclusiva em setembro, com uma programação exclusiva de performers negros. Todas as informações podem ser vistas e lidas no site do evento.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

Wilds Gomes

Sou um tipo fora do vulgar, tal e qual o meu nome. Vivo num caos organizado entre o Ethos, Pathos e Logos - coisas que aprendi no curso de Comunicação e Jornalismo. Do Calulu de São Tomé a Cachupa de Cabo-Verde, tenho as raízes lusófonas bem vincadas. Sou tudo e um pouco, e de tudo escrevo, afinal tudo é possível quando se escreve.