“A Noite dos Reis”, uma fição africana que se projeta nos problemas sociais e políticos de qualquer sociedade

A Noite dos Reis, filme do realizador costa-marfinense Philipe Lacôte, esteve em antestreia na noite de 13 de julho, nos cinemas UCI do El Corte Inglés de Lisboa.

Esta aposta da distribuidora Alambique, no âmbito da Universal French Cinema Fest, é uma longa metragem que conta a história de um jovem, que é enviado para MACA, uma prisão no meio da floresta da Costa do Marfim governada por reclusos. Há uma tradição que rege a prisão e sugere que, aquando do nascer de uma lua vermelha, o Chefe designe o novato como o novo “roman”, isto é, como o contador de histórias, encarregando-o de contar uma história aos outros prisioneiros. O mais recente recluso, sem alternativa, acaba por escolher narrar a vida mística do lendário bandido a quem chamam Zama King.

O que acaba por prender o espectador ao argumento é a curiosidade em saber se o jovem consegue aguentar-se a contar a sua história, até ao amanhecer e se assim, se poupa da morte.

No meio da anarquia que é MACA (a maior prisão da África Ocidental), a eminente morte do atual chefe do estabelecimento prisional, fomenta um caos ainda maior, ao que se vive diariamente. Dentro de sistemas subversivos, a ausência da lei é gritante, no entanto, existem códigos e regras próprias que regem esse mesmo sistema e um deles, para o seu bom funcionamento, é que haja um chefe. Violência, crime, usurpação do poder, são ações decorrentes de um “trono/reinado sem rei”.

Cinematograficamente, este filme penetra no espírito do espectador e arrebata-o. Cores fortes, personagens robustas e intensas, (na sua grande maioria homens, em idade adulta) cantos carregados de tradição e simbolismo. Não fosse o povo africano um povo tão melodioso e com uma fonética tão característica. É de caras a característica híbrida que a trama apresenta, o argumento é uma fusão de misticismo com as leis próprias da natureza.

Ao ver o filme, depreende-se que o realizador faz a analogia à alienação social. A sociedade precisa acreditar em alguma coisa, coletivamente, e o contador de histórias é aquele que alimenta o imaginário, é aquele que mantém as pessoas entretidas/entorpecidas (neste caso, com recurso a música, poesia e dança).

No fundo e na sociedade civil, o contador de histórias dá lugar aos governantes, muitos deles déspotas mas eloquentes e persuasivos o suficiente para dominar mentes. Esta é uma realidade a qualquer uma das nossas sociedades no mundo (como, aliás, é feita referência à realidade brasileira ao falarem do filme a “Cidade de Deus”).

Apesar dar restrições inerentes ao contexto pandémico que atravessamos, esta primeira exibição do filme contou com uma sala bem composta. Entre os espectadores, encontrámos o artista Tekillla que se denunciou como um orgulhoso cinéfilo. Tekilla deixou uma impressão muito positiva em relação ao filme que, considerou de contributo fundamental para a mudança dos paradigmas da indústria do cinema. Fica também, uma nota extremamente positiva, ao facto de o filme ter sido gravado na Costa do Marfim, com cenas filmadas, inclusivamente, no próprio estabelecimento prisional MACA.

Em Lisboa, continuarão a ser os cinemas UCI no El Corte Inglês a ter o filme em exibição e no Norte será no Arrábida Shopping, também nas salas dos cinemas UCI.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com

TRABALHO DE PRETO
nv-author-image

Maria Barbosa

Irrequieta, consciente e com muita sede de aprender! Encontrei na liberdade criativa da BANTUMEN uma das minhas mais valiosas oportunidades de mudar o mundo.