Ar Condicionado, filme de Fradique | Geração 80

“Ar Condicionado” chega às “prateleiras” do MUBI

A longa-metragem angolana Ar Condicionado, de Fradique, que tem a produção da Geração 80, acaba de chegar às “prateleiras mundiais” da MUBI, uma “cinemateca” que se dedica à apresentação e divulgação do cinema de arte internacional.

A estreia do filme aconteceu na noite de terça-feira, 20, e o realizador escreveu algumas palavras carregadas de gratidão e satisfação.

“Em nome de toda a tripulação e elenco, gostaria de dizer que estamos profundamente gratos por todo o afecto que este filme tem recebido de todo o mundo. É um prazer partilhar este novo começo do Ar Condicionado com o MUBI e o seu público”, disse Fradique.

Desde que o filme foi exibido pela primeira vez no ano passado, nos grandes ecrãs do International Film Festival Rotterdam, Ar Condicionado já passou em mais de 40 festivais do Quénia, China, Índia, Lituânia e outros.

O filme também já foi premiado em categorias como Melhor Longa Metragem de Ficção de 2020 no International Film Festival Innsbruck da Áustria, Melhor Filme no Imagine Science Film Festival 2020 e Filme do Ano do African Studies Association, ambos nos Estados Unidos de America; e recentemente, Melhor Longa Metragem nos Luxor African Film Festival, realizado no Egito; Melhor Ficção de 2021 no Arquiteturas Film Festival Lisboa.

Ar Condicionado retrata uma história de ficção de uma época em que os ACs começam a cair misteriosamente dos apartamento da cidade de Luanda. O segurança, Matacedo e a empregada doméstica, Zeninha, têm a missão de recuperar o aparelho do chefe.

Relembramos-te que a BANTUMEN disponibiliza todo o tipo de conteúdos multimédia, através de várias plataformas online. Podes ouvir os nossos podcasts através do Soundcloud, Itunes ou Spotify e as entrevistas vídeo estão disponíveis através do nosso canal de YouTube.

Podes sugerir correções ou assuntos que gostarias de ler, ver ou ouvir na BANTUMEN através do email redacao@bantumen.com.

nv-author-image

Bruno Dinis

Carrego a cultura kimbundu nas minhas veias. Angolanidade está presente a cada palavra proferida por mim. Sou apologista de que a conversa pode mudar o mundo pois a guerra surgiu também de uma. O conhecimento gera libertação e libertação gera paz mental, por tanto, não seja recluso da ignorância.