O presidente francês Emmanuel Macron decidiu devolver “sem demora” 26 obras reivindicadas pelas autoridades do Benim, pilhadas durante a guerra do exército francês em 1892.

O anuncio feito pelo Eliseu aconteceu na sequência do compromisso da França em restituir arte africana ao continente. O musée Quai Branly, em Paris, tem em sua posse mais de seis mil peças do Benim, incluindo as portas do Palácio Abomey, estátuas reais e tronos.

Para o Eliseu, a restituição de obras daquele país africano não deveria ser um caso isolado ou puramente simbólico. O chefe de Estado “deseja que sejam consideradas todas as formas possíveis de circulação dessas obras: restituições, mas também exposições, trocas, empréstimos, depósitos, cooperação”, diz o Eliseu.

O anúncio propõe ainda uma evolução da legislação a fim de restituir aos estados solicitantes milhares de obras de arte africanas que chegaram durante a colonização, que estão nos museus franceses.