O hip hop há vários anos que faz parte da cultura portuguesa e, com o passar dos tempos, esse estilo de música tem marcado cada vez mais a sua presença e mostrado que veio para ficar. O hip hop em Portugal ganhou uma legião de fãs muito grande e fiéis ao seu estilo, e no seguimento desse “novo amor” nasceu o  documentário português “Hip to da Hop”, focado na cultura hip-hop em Portugal.

O documentário tem estreia marcada nas salas de cinema portuguesas a 25 de outubro (ainda sem salas definidas), mas para dar início a esta viagem e partilhar a mensagem, antes da sua estreia, vai ter uma digressão pelo país com atuações musicais incluídas.

“Hip to da Hop” foi escrito e realizado por António Freitas e Fábio Silva. De acordo com o comunicado da distribuidora NOS Audiovisuais à agência Lusa, o documentário “vai estar em tour em seis cinemas do país com um espetáculo deste estilo musical, seguido da visualização do filme, de 10 a 22 de outubro”.

Esta viagem terá início no dia 10 de outubro em Lisboa, no centro comercial Colombo, passando depois por Coimbra, a 14, no Alma Shopping, pelo Porto, a 15, no Norte Shopping, por Loulé, a 17, no Algarve Mar Shopping, por Almada, a 18, no Almada Fórum, e terminando em Évora, a 22 de outubro, no Évora Plaza.

Sillab n Jay Fella e os Stroninflows dão início à festa antes da exibição do filme, e depois os De sleep? Patterns e Lost Soul, que são os responsáveis pela banda sonora do filme. Nas apresentações em Lisboa, em Almada e Évora irá atuar também a ‘crew’ de breakdance Natural Skills.

A ante estreia do documentário teve lugar na 15.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Lisboa – IndieLisboa em abril, foi também exibido no Hip Hop Film Festival, em agosto, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, e no Golden Tree International Documentary Film Festival, este mês, em Frankfurt, na Alemanha.

António Freitas e Fábio Silva confirmaram que o filme vai “dar a conhecer uma cultura, que é também um estilo de vida”, composta por quatro vertentes, lembrando que o hip-hop “não é um estilo de ginástica ou de música”. Em “Hip to da Hop” está “10%” do que recolheram em conversas com writers, dj’s, mc’s, b-boys e todos que fazem parte e gostam do que essa cultura tem para dar e mostrar.

Já lá vão três anos desde que essa aventura começou e hoje já tem inicio, meio e fim,  com um enredo e ponto de vista educacional, com “uma narrativa que é contada pelos próprios protagonistas da cultura” concluiu António.

É um filme que quanto aos mais jovens que apreciam a cultura do rap/hip-hop já “está conquistado à partida”, mas o objetivo final é conseguir chegar aos mais velhos e suscitar curiosidades, Fábio acrescenta que querem “chegar a um público dos oito aos 80 anos, independentemente se gostam ou não de hip-hop.”