À margem da 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o Gana, através do seu presidente, declarou 2019 como o “Ano do Retorno” da diáspora africana. Num evento realizado no National Press Club em Washington, DC, Nana Addo Dankwa Akufo-Addo declarou que chegou o momento para as pessoas de ascendência africana fazerem a viagem de retorno e que o Gana estaria de braços abertos para acolher os irmãos e irmãs.

No seu discurso, o presidente Akufo-Addo prestou uma homenagem especial ao falecido Jake Obetsebi Lamptey. Lamptey é o homem que lançou o “Projeto Joseph” há mais de dez anos para alcançar a diáspora africana.

O “Joseph Project” foi o título de uma série de atividades, ações e interações conduzidas pelo Gana. O objetivo era “restabelecer a nação africana como uma nação de todos os seus povos, capaz da promessa de Deus à África e ao povo africano”, segundo relatórios publicados.

A intenção era que o governo do Gana usasse o ano de 2007, o quinquagésimo aniversário da independência do país, para celebrar a excelência africana e inaugurar o “Projeto Joseph”. O Gana usaria este ano para reunir ganeses e africanos da diáspora. Ao fazê-lo, o país teria se tornado numa verdadeira ponte “para a terra dos africanos na diáspora”.

De acordo com o site GhanaWeb, “O Ano do Retorno” é histórico na sua forma. É a única parceria público-privada organizada centralmente por um país africano para comemorar a chegada dos africanos aos Estados Unidos. Anteriormente no coração das rotas de comércio de escravos, o Gana é provavelmente o lar da maior comunidade de afro-americanos nos EUA.

De acordo com um relatório sobre o Gana, dos 446 mil turistas que se dirigiam ao país, quase um quarto eram negros da diáspora. O número foi de tal forma importante que o ministério do Turismo mudou o seu nome para se tornar no Ministério do Turismo e das Relações da Diáspora.