A lusofonia está a fervilhar. Esta frase poderia ser sobre o bom momento que se vive no entretenimento em português, considerando a espécie de Erasmus que assistimos entre artistas de Angola, São Tomé, Portugal Cabo Verde ou Moçambique, mas estamos a falar de outro tipo de sector. O do empreendedorismo. Lisboa viu acontecer há pouco o Web Summit, “a maior conferência de tecnologia do planeta”, tal como podemos ler no website do evento. E já neste dia 12, em Luanda, começa o GEW (Global Entrepreneurship Week), a Semana Global de Empreendedorismo.

Até ao dia 18 de novembro, a terceira edição do evento vai acontecer em vários locais de Luanda, como o hub do Acelera Angola, e quer dar aos empreendedores angolanos uma nova visão do empreendedorismo como trilho de empoderamento pessoal e rota para a redefinição económica do país.

“O objectivo é incrementar o ecossistema de empreendedorismo a nível global, onde inovadores e promotores e criadores de emprego lançam startups e novas empresas, impulsionando o crescimento económico e expandindo o bem-estar humano nos países em que é realizado anualmente”, diz a organização.

Na lista de oradores surgem nomes internacionais como Jeff Hoffman, co-fundador do GEN (Global Entrepreneurship Network), a plataforma de projetos e programas presente em 170 países e que apoia empreendedores; Kelechi Anyadiegwu CEO da Zuuva, e incluída pela Forbes na lista dos 30 brilhantes empreendedores antes dos 30 anos no setor do Retalho e E-Comércio; e a moçambicana Sara Fakir, fundadora do IdeiaLab.

A representar Angola e as suas próprias ideias empreendedoras há Suzana Amões da Zunga Startup; Cláudia Kiala da Soba; Joel Epalanga do Kiandahub, entre outros tantos jovens inovadores.

Os vários eventos, anunciados nas redes sociais do GEW Angola, são de entrada gratuita e livre.

A Semana Global de Empreendedorismo surgiu há onze anos, através do projeto GEN, nos Estados Unidos da América, e chegou a Angola primeira vez em 2016.