O Panorâmico de Monsanto será entre este sábado e domingo uma galeria de arte e sala de concertos, no âmbito do festival Iminente, que se realiza pela primeira vez em Lisboa.
O Iminente, que se realizou a primeira vez em 2016, em Oeiras, e já passou também por Londres, “tenta reunir todas as subculturas urbanas num festival, num ambiente de comunhão, de várias vertentes, e mostrar o que está iminente, o que está a borbulhar”, de acordo com Alexandre Farto (Vhils), um dos mentores da iniciativa.

Para os dois palcos – o principal no exterior e um mais pequeno na cave – está planeado um cartaz que inclui pela primeira vez artistas estrangeiros.

No primeiro dia atuam, entre outros, os portugueses Conan Osiris, Bateu Matou, Pappillon, Shaka Lion, Octa Push, a dupla peruana Dengue Dengue Dengue, o angolano Bonga e o sírio Omar Souleyman.

Para sábado estão marcados concertos dos norte-americanos Maseo (dos De La Soul), Kool G Rap, Havoc (metade dos Mobb Deep), dos portugueses Norberto Lobo, Nídia, Keso, Fumaxa, Valete, Loreta KBA, entre outros.

No domingo atuam, entre outros, os portugueses Marta Ren & the Groovelvets, Carlão, Gisela João, Sequin e Fogo Fogo.