Cada vez mais, as pessoas têm uma maior consciência sobre o que consomem. Práticas mais saudáveis, atitudes amigas do ambiente ou opções que podem ajudar a ter uma vida mais descontraída são algumas das vertentes mais procuradas por quem quer “viver melhor”.

Há uma palavra que tem estado bastante presente na vida de quem quer mudar: minimalismo. O que é? Simples: viver com menos posses materiais.

Minimalismo, de acordo com os seus praticantes, é uma ferramenta que pode ajudar a encontrar a liberdade. É libertares-te do medo, da preocupação, da opressão, da culpa, da depressão e das armadilhas da cultura do consumismo.

Esta corrente de lifestyle não significa que é errado possuir bens materiais. O problema é o apego que temos em relação às nossas coisas: tendemos a dar muito significado às nossas coisas, muitas vezes esquecemos a saúde, os relacionamentos, as paixões, o crescimento pessoal e o altruísmo. Portanto, se quiseres ter um carro, uma casa ou uma carreira, fantástico! O minimalismo ajuda-te a tomar essas decisões de forma mais consciente.

Há uma abundância de minimalistas de sucesso que levam vidas sensivelmente diferentes. Por exemplo, os minimalistas Leo Babauta tem uma esposa e seis filhos; Joshua Becker tem uma carreira, uma família, uma casa e um carro e Colin Wright possui 51 coisas e viaja por todo o mundo. Mesmo que cada uma dessas pessoas seja diferente, todas elas partilham duas coisas em comum: são minimalistas e o minimalismo permitiu-lhes ter uma mais sã. Tudo o que têm tem um verdadeiro propósito.

Numa só frase: o minimalismo serve para te desprenderes do que tens em excesso.

Estas são as máximas da vertente:
Eliminar o descontentamento
Recupere o tempo
Viver o momento
Perseguir paixões
Descubrir missões
Experimentar a verdadeira liberdade
Criar mais, consumir menos
Concentrar-se na saúde
Crescer como indivíduos
Contribuir além de si próprio
Livra-se do excesso de coisas
Descobrir o propósito da sua vidas