As portas do SBSR abriram às 15h e já havia um mar de gente a fazer fila para entrar. Era o dia de hip hop, e o que atraiu um público na sua maioria entre os 13 e os 30 anos. Mas a festa foi de todos.

Oliver St Louis | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN
Oliver St Louis | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN

Em cada esquina do parque e em cada palco a energia da música era contagiante, juntava novos e graúdos. No palco EDP, juntaram-se primeiro para ver Olivier St. Louis, de seguida Prof Jam, mais tarde Oddisee & Good Campny, dando lugar a Princess Nokia e para fechar os concertos nesse palco, Tom Misch.

Prof Jam | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN
Prof Jam | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN

Vão ter de nos desculpar, mas vamos destacar o palco EDP e os melhores concertos nele, porque foi demais. Para além do grandíssimo concerto que Prof Jam deu, houve ainda Oddisse, que já não é uma cara estranha para muitos portugueses, uma vez que esteve presente no Mexefest, no ano passado.

Oddisee | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN
Oddisee | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN

Amir Mohamed el Khalifa, mais conhecido como Oddisee, trouxe consigo a sua banda, Good Compny, que foram uma boa companhia para todos que não arredaram pé, e aguentaram o concerto todo, durante 1 hora e qualquer coisa.

Oddisee & Good Campny | Foto: Miguel Roque / BANTUMEN

O artista é essencialmente influenciando pela maior parte dos rappers da Cosa Oeste dos Estados Unidos, como Eric B. & Rakim, De La Soul, e A Tribe Called Quest. São alguns nomes que ajudam a moldar a música que faz com a letra e a mensagem que quer transmitir.

O concerto todo tornou-se numa viagem, sem paragens, pelos álbuns de Oddisee, People Hear What They See, Tangible Dream e The Iceberg. Rapper e produtor, Amir ainda teve tempo para mostrar as suas habilidades com o MPC, tocou segundos de um instrumental que deu continuidade ao concerto.

Batalhas de hip hop não é só na dança, em palco o guitarrista e o teclista fizeram magia acontecer numa batalha de beatbox. Ninguém estava à espera desse momento, com uma roupagem e imagem diferente ao espectáculo que estava a ser criado em cima do palco.

Quem não conhecia, passou a conhecer Odissee & Good Compny. De Washington, D.C., Estados Unidos, para o parque das Nações, Portugal, trouxeram soul, funk, groove e muito boa vibe, adjectivos que descrevem por completo o sentimento que se viveu em palco e a interação que existiu com o público.