Paulo Fernando Capitão, conhecido por Paulelson ou Mr. Aleluia, nasceu em Benguela, Angola, mas também tem um cheirinho da Linha de Sintra, em Portugal, onde viveu até aos 10 anos de idade.

Agora, com 23 anos acabados de fazer em janeiro deste ano, é visto como uma das principais revelações da música urbana em Angola.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Paulelson_Official 🇦🇴 🇵🇹 (@paulelson_official) a

Paulelson define a sua infância como normal, no seio de uma família de classe média. A música começou a ser o foco da sua vida quando chegou a Luanda. Na altura, quem controlava o movimento eram os Kalibrados, além de Killa Hill e P.I.M.P de Reptile e Raiva.

Os primeiros passos na música foram dados com o seu tio, que era deejay e que o levava para ajudar nas festas de família, vizinhos e pessoas mais próximas.

“A partir daí, comecei a dar-me com um pessoal do freestyle e fui aperfeiçoando a minha técnica. Passados dois anos, eu queria mais do que fazer apenas freestyle. Tinha ambições bem maiores. Começou assim o interesse pelos beats e as experimentações no FL Studio que mudou forma como Paulelson olhava para a música.

“Foram horas, dias, meses em frente ao laptop até conseguir fazer o meu primeiro beat, que na verdade era uma autêntica merda”. Passou assim ao plano B: convencer os amigos de freestyle a criarem um grupo no qual ele seria o produtor.

Depois dos amigos terem aceitado, a prioridade passou a ser juntar condições para abrir um estúdio próprio com material básico para fazer as primeiras músicas, que na altura eram do mais puro hip hop underground.

Paulelson chegou a gravar algumas rimas que nunca acabaram por sair, por vergonha e receio de dizer que está a cantar. Além disso, também não estava habituado a ouvir a sua voz em instrumentais.

Começou a soltar-se e a mostrar as demos a amigos e familiares. O feedback foi bom, o que lhe deu asas para gravar o primeiro projecto, 24H de Viagem. Desse trabalho, o single “Parte de mim”, que retrata a história da altura em que chegou a Portugal, conquistou a sua mãe e rendeu vários elogios até de pessoas com visibilidade no movimento hip-hop.

O artista integrou a Latino Records como produtor em 2016, depois de ser apresentado por um amigo da sua irmã mais velha, “BS Baby”. Na época, Yuri Latino, atual CEO da produtora, estava à procura de um novo produtor para a label. Paulelson levou os seus melhores instrumentais e foi muito bem recebido pelo conhecido Faya King.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por @yuri.latino a

Paulelson ficou completamente deslumbrado com o estúdio, que era exactamente o que procurava e onde queria estar todos os dias. Trabalhou uma ou duas vezes com Fredh Perry e na mixtape “No Mercy”, sempre como produtor, na altura em que os Mobbers estavam a  desvincular-se da produtora. O artista aproveitou a saída das estrelas, na altura, da Latino para apresentar o single “Aleluia“, que considera como o seu bilhete de entrada para a Latino Record’s como artista.

Paulelson defende a bandeira da Latino Records com unhas e dentes e mantêm uma excelente relação com o CEO Yuri Latino, que considera mesmo como um pai.

Na sua breve carreira, o artista já conta com uma participação de Tio Edson, da TRX, na faixa “Novo Banger”.

Tive o prazer de conhecer o Edson dos Anjos no estúdio da Latino Records. “Ele ouviu algumas músicas minhas, gostou da onda e do meu estilo e deixou-me um recado com o  Edivaldo Prince que queria contar com a minha participação numa faixa.”

 

Na sua discografia, Paulelson apenas tem a mixtape Aleluia. Contudo, entre 2018 e início de 2019 já trabalhou com Chelsy Shantel, Preto Show, Titica, Dj Nelasta, DJ O’Mix, Manrenas, Eric Rodrigues, Young Double, Kelson Most Wanted, Edson dos Anjos, Delcio Dollar, Riscow, entre outros artistas.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Paulelson_Official 🇦🇴 🇵🇹 (@paulelson_official) a

Sobre as suas influências, Paulelson indica que não tem grande influências do rap português, e que faz o que os rappers da new school fazem e o que os da old School não fizeram. “De Angola, tenho ouvido Dji Tafinha, TRX Music, Piriline e alguns outros membros da nova esscola e da minha label.” Fora de Angola, Wet Bed Gang e Toy Toy T-Rex, Migos, Travis Scott e Drake.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Paulelson_Official 🇦🇴 🇵🇹 (@paulelson_official) a

Num futuro muito breve, Paulelson vai lançar novos videoclipes. O da música “Novo Messi” deverá ser já o próximo a sair.