A economia nigeriana, se continuar com o mesmo ritmo de franco crescimento dos últimos anos, em 2030 é apontada como uma das principais a nível mundial.

Anos de instabilidade política, corrupção e má gestão macroeconómica são agora procedidos por um correr contra o tempo para retransformar a economia do país através das suas maiores riquezas, o petróleo, que representa cerca de 20% do PIB do país, os minerais e a agricultura.

Em cima desses setores, existe ainda um poderosíssimo setor das telecomunicações, uma lucrativa indústria de entretenimento e o crescimento da indústria do cimento, a par do da construção.

Esta é uma pequena introdução ao país de grande importância na vida de Pedro Hipólito e da Five Thousand Milles (5TM), da qual é fundador, acionista e CEO.

Pedro Hipólito é português, mas nasceu em Moçambique. No seu currículo tem também o carimbo de fundador e CEO da SIBS International, uma multinacional que começou do zero e hoje fatura milhões; é presidente da Associação de Amizade e Negócios da Nigéria-Portugal e Cônsul Honorário de Portugal em Lagos, na Nigéria.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Pedro F. Hipólito (@pedro.ferreira.hipolito) a

A sua mais recente criação, a 5TM, é um importante elo de ligação entre empresários europeus e o continente africano. “A Five Thousand Milles apoia a internacionalização de empresas europeias no continente africano. Estamos agora a começar no Brasil, mas o grosso são empresas europeias. Encontramos oportunidades no Quénia, no Gana, no Chade, no Egito, e depois encontramos parceiros de qualidade na Europa e também no Brasil para virem connosco capturar essas oportunidades em África.”

O rápido desenvolvimento das economias africanas demanda maior necessidade de novas parcerias e oportunidades de negócio, que dentro do core-business da 5TM, vão surgindo  em vários setores, mas os mais recorrentes são o alimentar e as tecnologias.

“Onde temos muitas oportunidades, sólidas e recorrentes é no setor alimentar, como o trading de farinha para o Congo, e no setor das tecnologias, porque África está de facto a desenvolver-se rapidamente nestes dois setores. A população cresce muito depressa, precisa de alimentos de qualidade. E também está a modernizar-se, e por isso todo o continente precisa de tecnologia de ponta. Portanto são nestas duas áreas que nós trabalhamos, mas não excluímos oportunidades. O nosso forte é encontrar os negócios, independentemente do sector”, explica à BANTUMEN Pedro Hipólito em entrevista vídeo, no seu escritório em Lisboa.

Foto: Miguel Roque / BANTUMEN

A sua ligação ao continente não é um acaso de negócios. “Os meus avós viveram em África, os meus pais viveram em África e eu nasci em Moçambique. Portanto considero-me africano, quer eu quer a geração anterior têm essa tradição, e cresci sempre a ouvir falar de Moçambique, histórias dos meus avós, histórias dos meus pais e cresci sempre a ouvir falar da minha infância lá. Embora tenha estudado e vivido em Portugal, estive sempre a voltar a Moçambique e a África. Depois comecei a fazer negócios em Angola, Moçambique, na Argélia e na Nigéria.”

Sobre a sua forma de atuar nos negócios e o seu ingrediente para o sucesso é garantir que a ligação com os seus clientes vai mais além de simples negócios. “Eu sou um pouco diferente do empresário tradicional, mas é daí que vem a complementaridade. Nós fazemos aquilo que os empresários tradicionais não fazem. São muito bons nos seus produtos e nas suas fábricas, e numa geografia limitada a Portugal, Espanha e quando se fala em África é Angola e Moçambique. Nós vamos a todo o lado, vamos à Somália por exemplo. Vamos onde mais ninguém vai. É preciso tempo. Qualquer pessoa que faça uma abordagem instantânea, é a mesma coisa que uma pessoa entrar numa discoteca e tentar arranjar uma namorada em dez minutos. Toda a gente vai desconfiar. Mas se tiveres tempo, uma conversa, se puseres tempo, meses, nessa relação, depois a confiança aparece e torna-se numa relação sólida. O que nós fazemos é olhamos para o mercado, não conseguimos estar ainda nos 54 países, mas olhamos para os mercados, vemos se este mercado é interessante e se há coisas que podemos fazer ali e então vemos tempo para lá estar e [isto funciona] nos dois sentidos. Quer nós portugueses passarmos tempo na Nigéria, temos sempre grupos de portugueses a viajar para lá, como termos africanos a vir passar algum tempo connosco e daí constroem-se relações com muita rapidez”, explica Pedro Hipólito.

A 5TM possui instalações e funcionários em Lisboa, Portugal, e em Lagos, na Nigéria. Um efetivo de 34 funcionários, distribuídos entre África e Europa, garante uma capacidade de ação em ambos os continentes. Atualmente, tem iniciativas a decorrer em múltiplas geografias como Argélia, Angola, Brasil, Camarões, Chade, Congo, Costa do Marfim, Egito, Gana, Moçambique, Nigéria, Somália, África do Sul, Sudão e toda a Europa.