A ponte marítima mais longa do mundo está programada para abrir esta semana, ligando as cidades de Hong Kong e Macau ao continente asiático, como parte de um plano para integrar as regiões administrativas especiais à China.

A ponte custou 20 mil milhões de dólares, liga Hong Kong-Zhuhai-Macau e abre oficialmente na terça-feira, numa cerimónia que vai contar com o presidente chinês, Xi Jinping. Os 55 quilómetros de betão sob o mar vão estar acessíveis mas apenas para condutores com uma autorização especial.

A travessia será usada principalmente por autocarros privados e veículos de carga e não é servida por transporte público.

“A colaboração entre Guangdong, Hong Kong e Macau em termos de comércio, finanças, logística e turismo será reforçada. Hong Kong assumirá um papel mais pró-ativo no desenvolvimento da Grande Área da Baía ”.

Desde o início do projeto, em Hong Kong, os moradores acreditam que é um mau uso dos fundos dos contribuintes e conservadores culparam a construção de pontes como a causa do número decrescente do ameaçado golfinho branco chinês.

“É um megaprojeto politicamente dirigido sem necessidade urgente”, disse o parlamentar pró-democracia Eddie Chu. No início deste ano, autoridades disseram que o tráfego na ponte causaria 25% menos tráfego até 2030 por causa de outra ponte concorrente. “Basicamente é redundante”, disse.

As torres acima da ponte são projetadas para parecerem golfinhos, em homenagem ao golfinho branco, aos nós chineses e ao mastro de um barco, de acordo com o designer da ponte. As curvas da estrada devem se assemelhar a uma cobra.