Autoridades na Noruega abriram uma investigação sobre o Tidal, depois do jornal económico norueguês Dagens Naeringsliv ter avançado a notícia de inflação de milhões de plays dos álbuns Lemonade, de Beyoncé, e The Life Of Pablo, de Kanye West.

Elisabeth Harbo-Lervik, advogada da Autoridade Norueguesa para Investigação do Crime Económico e Ambiental ((Økokrim), confirmou a investigação à Bloomberg . “Suspeita-se que alguém tenha manipulado o número de reproduções de algumas músicas”, Harbo-Lervik disse à Bloomberg num e-mail.

A Sociedade de Autores da Noruega avançou com um processo contra o Tidal, o serviço de origem norueguesa adquirido em 2014 para concorrer com o Spotify. Kanye West foi anunciado como co-proprietário do Tidal em 2015, parceiro de JAY -Z, o rapper e empresário, proprietário do serviço.

Tono abriu a investigação depois que as associações de artistas da Noruega disseram que essa suposta manipulação estava a causar danos nos seus ganhos.

Em resposta, o CEO do serviço, Richard Sanders, rejeitou todas as acusações. No ano passado, a plataforma gerou mais de 100 milhões de euros, um crescimento de 13% face ao ano anterior.

“Estamos cientes de que pelo menos uma pessoa foi questionada. Não podemos comentar mais nada sobre o assunto”, disse Sanders.

O Tidal indica ainda que a investigação de Dagens Næringsliv é “uma campanha de difamação” e afirmou que o jornal alterou os dados de streaming roubados.

O relatório de Maio do Dagens Næringsliv foi baseado num disco rígido contendo “biliões de dados internos do Tidal. Tempos e títulos de músicas, IDs de usuários e códigos de países”. O jornal rastreou diferentes usuários do Tidal usando os dados, hábitos de escuta registrados nos registros – um utilizador do Tidal foi monitorado a ouvir The Life of Pablo 96 vezes num dia, sendo que o utilizador negou.

Um relatório do Centro para Segurança Cibernética e da Informação (CCIS) da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia informou que os supostos dados de streaming no disco rígido representavam “uma manipulação dos dados do [Tidal] em momentos específicos” um conjunto muito específico de IDs de faixas, relacionado a dois álbuns distintos. ”

Em 2015, um ano depois de comprar o Tidal, Jay-Z enviou uma carta à empresa fundadora do Tidal, a empresa norueguesa Schibsted, acusando o vendedor de ter mentido sobre o número de assinantes no momento do acordo.